the-world-under-the-southern-cross.png

Carlos Caso-Rosendi

Anos atrás fui requisitado para colaborar na formação de uma abordagem Católica sobre a América Latina e de comunidades de imigrantes Latinos na América do Norte. Fui informado que esta organização Católica no comando deste esforço queria ajudar a Protestantes Latinos Americanos nos seus caminhos rumo a Igreja Católica. Alguns de vocês já devem ter percebido a quão absurda era esta idéia. Qualquer católico mais ou menos informado sabe muito bem que a Igreja Latina Americana está numa sangria de almas a passos largos desde muito tempo atrás do Papa Bento XVI e que os Bispos da América Latina se reuniram em Aparecida em 2007 para lhe darem com este problema.

Naquele tempo, de acordo com algumas fontes sérias, padres católicos na América Latina eram superados por ministros Protestantes numa proporção maior que de 2 para 1. Se você ler os documentos Católicos antes e depois de Aparecida, você se dará conta de que a maioria deles conclamavam todas as religiões a trabalharem para o desenvolvimento das condições sócio-econômicas no continente, particularmente na área de direitos humanos. Não havia nada de errado naquele chamado, mas o Papa Bento XVI sabia da insinuação Marxista daquelas causas nobres. O Papa também sabia que aqueles estavam a colocar a pregação do Evangelho de Cristo em segundo plano, após o chamado para a “justiça social” – o que quer que isso signifique. Muita coisa não mudou desde aqueles dias. Quase sempre que Católicos militantes apresentam Cristo num modo que atraia muitos para a fé, estes são acusados de “proselitismo”, enquanto que o proselitismo que leva muitos fiéis para longe da Igreja Católica é visto e apresentado num modo muito mais positivo.

O esculpir da Igreja Católica Latina Americana por sectários e missionários Protestantes sob a supervisão de uma esquerda aprendiz majoritária de bispos Católicos, continua em ritmo num continente que uma vez foi solidamente católico desde a borda Mexicana com os Estados Unidos até a Terra do Fogo, desde a costa no Equador no Pacífico, até as costas do Brasil, onde o Rio Amazonas deságua as águas Andinas no amplo Atlântico.

Um Mercado alvejado

O processo de protestantização da América Latina começou por volta dos anos 50. Permita-me dar um mini-estudo comparativo usando dois membros de minha própria família: minhas duas avós. Minha avó paternal tinha em sua linhagem católicos ingleses, irlandeses e Escoceses. O seu catolicismo era forte e a sua lealdade a Igreja era muito profunda. Ela costumava dizer: somos a descendência dos santos e dos mártires que morreram defendendo igrejas católicas de multidões Protestantes. Seu próprio pai, meu bisavô foi chamado de John Henry   e depois Cardeal John Henry Newman, o famoso convertido de Oxford do século XIX.

Minha avó maternal poderia não ter sido mais diferente. Nascida católica de uma família de imigrantes chilenos, ela desviou da fé católica e passou por uma série de experiências que a levou aos Batistas, o Exercito da Salvação, a Irmandade Livre, Evangelismo, Mormonismo, Espiritualismo, e quem sabe quantos outros sectos e crenças esotérica. Para mim, estas duas mulheres representam o triste drama que começou a se desenrolar através do continente naquele tempo. Dois lados: um fiel e o outro não.

Os primeiros Protestantes missionários que chegaram na Argentina e em outros países quando companhias Britânicas e Americanas estavam construindo linhas ferroviárias e fabricas por todo o continente, não poderiam levar embora da Igreja todos aqueles católicos, mas eles pacientemente trabalharam no seu alvo e começaram a ter um sucesso considerável pelo final dos anos 50. Seu real sucesso iniciou após as mudanças instituídas na Igreja pelo Concílio Vaticano Segundo. Pelo tempo que o Vaticano II terminou, o Gigante Católico foi dormir e deitou indefeso enquanto o proselitismo Protestante moldou sua carne. Pelos anos 70 houve duas gerações de Católicos que não saberiam nem mesmo os rudimentos de como defender a fé. Seminaristas vagamente tocaram no assunto de apologética, militantes católicos foram dispersos em alguns círculos, enquanto que agentes de política esquerdista igualaram a descrença em Deus com proeza intelectual. Muitos vãos homens jovens caíram nesta armadilha. Tudo o que alguém precisava era possuir um volume de Das Kapital e repetir “Deus está Morto” para ganhar um cachê como um homem de idéias progressistas. Muitas almas foram roubadas de postos católicos por mera veleidade vazia.

O que a Igreja fez para contra-atacar, apenas pode ser descrito como lamentável. O novo Evangelho da “misericórdia” ocupou a velha severidade. Agora era ofensivo até mesmo sugerir que a Igreja Católica era a Guardiã da única e verdadeira religião. Sem apologética, sem condenação de erros, sem rela educação dos fiéis, a nova igreja dificilmente era misericordiosa, porque ensinar e defender a verdadeira fé são atos de misericórdia, e condenar o erro é estender uma mão misericordiosa para aqueles que estão no caminho da perdição. Chamar a igreja de “Mater et Magistra”, tornou-se um certo sarcasmo cruel em vista de tanto erro não desafiados, tantas almas perdidas para as heresias deste mundo.

O espírito ecumênico do Vaticano II foi raptado pelos modernistas, homosexualistas, iconoclastas, e protestantizadores, para alterarem radicalmente o panorama Católico. Nossos pastores deixaram o campo e muitos lobos o invadiram. Ninguém disse àqueles que deixavam a Igreja para se tornarem protestantes, que eles estavam agora sob o Anátema do Concilio de Trento. Poucos sabiam que o Concilio de Trento realmente existiu. Esta foi uma das muitas conseqüências de décadas de educação deficiente nas escolas católicas. O laicato foi na sua maioria deixado por sua conta própria. A pílula contraceptiva, a desobediência aberta ao Santo Pontífice, a ignorância e apatia do clero fez o resto. Quando a Conferência em Aparecida aconteceu em 2007, ouso dizer que muitos dos bispos apresentavam mais simpatia com Fidel Castro do que com seus próprios Pontífice. Bento XVI carregou uma cruz pesada de rejeição e incompreensão que iria acompanhá-lo por toda a extensão de seu pontificado

Nossa Senhora de Aparecida

Leia cuidadosamente este curto relato do Milagre de Aparecida e o compare com a pesca milagrosa que se encontra no Evangelho de João:

Em 1717, o governador da Província de São Paulo no Brasil estava a passar por uma pequena cidade no Rio Paraíba chamada, Guaratinguetá. Os habitantes locais quiseram fazer uma festa em sua honra, então três pescadores foram ate o rio pescar, e eles rezaram para Nossa Senhora para que Deus os concedesse uma grande pesca. Mas os pescadores tiveram uma péssima pesca por dias e ficaram preocupados de que eles não iriam pegar coisa alguma. Numa lançada de suas redes no rio, eles puxaram uma estatua da Virgem Maria sem a cabeça. E na tentativa seguinte de pescar algo, suas redes pegaram a cabeça. E depois disto, suas redes ficaram sempre cheias de peixe em cada tentativa, muito mais que suficiente para a festa. Os pescadores limparam e montaram a imagem. Era uma versão enegrecida de Nossa Senhora da Imaculada Conceição. Eles a chamaram de Nossa da Aparecida Conceição. (ver mais em catholicmiracles.com).

O Milagre de Aparecida é muito sugestivo, não apenas pela similaridade com a passagem em João 21:1-14, mas também por sua evidente estrutura escatológica. A expectativa da visita feita pelo governador nos lembra da expectativa da vinda de Cristo nos fins dos tempos. Os simples aldeões que pediram a Nossa Senhora por uma boa pesca após um tempo no qual eles não haviam pegado muito, são como Pedro e seus homens. (João 21:3 – Eles saíram e entraram na barca, mas naquela noite não pegaram nada.). Nossa Senhora atendeu aos seus pedidos, mas primeiro, Ela se deu como padroeira aos aldeões e de fato, para todo o Brasil. O que se segue é uma grande pesca e o milagroso fortalecimento de suas humildes redes. São Pedro, o pescador, e seus homens pescando no Mar da Galiléia são um tipo profético da grande conversão nos fins dos tempos. O Milagre de Aparecida também é um tipo profético: o Brasil se tornou o maior país na América Latina e também o maior país católico no mundo. O corpo da Virgem Maria – que é o primeiro modelo da Igreja – foi recuperado quebrado, separado de sua cabeça, de tal modo que parecia indicar que um dia a Igreja irá passar a sua própria paixão, separada se sua cabeça, a qual é Cristo (Efésios 5:22). Os pescadores da Galiléia também foram para ao mar, também separados de Cristo, seu Mestre, mas retornaram a margem para serem reunidos com Ele. Todas estas imagens me levam a acreditar que o Brasil um dia irá desempenhar um papel fundamental na unificação final do Corpo de Cristo, a Igreja, e mais especificamente na reunificação da América Latina sob a Fé Única e Verdadeira.

A hora do laicato – A grande comissão

As interpretações deformadas do Vaticano II prepararam terreno para uma completa rejeição da Grande Comissão de Cristo. Se pararmos de denunciar o erro em nome da misericórdia, se refreamos de buscarmos e ganharmos almas para evitarmos ser criticados como proselitistas e – mais importantes – se perdermos nossa obrigação de ensinar a fé ao ignorante; teremos negado a Cristo que nos disse para irmos e fazermos discípulos em todas as nações antes que Ele retornasse em sua glória.

Agora os onze discípulos vão ate a Galiléia, para a montanha a qual Jesus os indicou. Quando eles O viram, eles O adoraram; mas alguns duvidaram. E Jesus veio e lhes disse: toda a autoridade no Céu e na Terra foi me dada. Vão e façam discípulos de todas as nações, os batizando no nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, e os ensinando a obedecer a tudo que Eu os mandei fazer. E lembrem-se, Eu estarei sempre com vocês até os fins dos tempos. (Mateus 28: 16-20).

Na minha opinião, agora é tempo para os Ecclesia Militans trabalharem nisto. Vivemos numa era perversa e isto talvez seja um sinal de que não há mais muito tempo a disposição para a nossa pesca. A Grande Pesca já deve está bem próxima. O que temos de fazer? Na America Latina e também na América do Norte , certos esforços promissores têm se atolado em problemas. Os Legionários de Cristo, o Instituto da Palavra Encarnada, e outros tem falhado em espalhar o que foi esperado deles. Nós talvez não tenhamos tempo para erguer uma nova geração de padres fiéis, e talvez não seremos capazes de fazer isto devido a muitas áreas estratégicas da Igreja já foram raptadas pelos modernistas, os homoheréticos, etc. Abominações estão em legiões, e mesmo assim ainda estamos ligados ao último mandamento de Cristo: Vão…façam discípulos…os ensinem…; isto não é direcionado apenas aos apóstolos. Jesus está a falar para mim e para você. Creio que não seja pura coincidência que você e outros estejam lendo estas palavra em algo comumente chamado de “a rede”! os primeiros discípulos Cristãos conquistaram o Império Romano usando a rede de estradas romanas, suas sandálias, e sua determinação em cumprir a Grande Comissão. Você está agora lendo este artigo na Austrália, Argentina, México, Tailândia, Estados Unidos, Polônia, Espanha, Inglaterra, Irlanda, Brasil…e quem sabe, em muitos outros países. Temos ferramentas extraordinarias para a pesca que teria feito São Paulo salivar perante uma grande pesca. O que estamos fazendo com o que temos?

Irei lhe dizer o que estou fazendo. Continuo escrevendo minhas meditações idiotas na esperança de que alguém irá se unir a minha missão, ajudá-la com orações e uma doação, etc., mas também estou tentando fazer uma maravilhosa ferramenta de auto-catequese acontecer que muitos mandachuvas, os chamados “atrações católicas” tem ignorado esta ferramenta, mas sei que lá fora há alguém que possa fazer isto acontecer, alguém que terá o coração e engenho para ir pescar almas; alguém que deseja que o Mestre o encontre ocupado trabalhando quando Ele retornar.

“Aquele que não está comigo, está contra mim: e aquele que não se junta a mim, se dispersa.” (Palavras de Nosso Senhor em Mateus 12:30.

Estas palavras deveriam nos aterrorizar e nos porem em ação, mas mais que isto, deve nos mover a mostrar nosso amor por Cristo e aos outros. Se não pudermos fazer nada mais, nós certamente deveríamos rezar com mais fervor.

Fazeres e negações

Quando se refere a formação Católica e informação na internet nós temos uns poucos exemplos a imitar, ambos em zelo e amor a verdade, como St Michael’s Media (Chuch Militant”), e outros. Pelo lado espanhol da internet Católica a qualidade é chocante porém parece ser bem intencionada em muitos casos. O plano o qual pretendo implementar é um esforço multi-linguístico: inglês, espanhol e português. Bons e leais católicos estão trabalhando nestas três áreas. Precisamos de combustível, precisamos de tempo, precisamos de braços fortes para puxarem as redes. Ajude-nos em doações, voluntariado se você puder, e acima de tudo: orações constantes para este esforço. Sua recompensa não irá tardar.

Vamos pescar!

3 de dezembro de 2017

Tradução: Aprígio Borges